terça-feira, 5 de Janeiro de 2010

A AVENTURA DO PEIXE-DOURADO

Era uma vez um peixe-dourado, um polvo chamado Malaquias, uma lula chamada Liliana e uma menina chamada Sandra.
Eles eram todos muito felizes no Mar das Brincadeiras.
Numa tarde de Inverno a Sandra foi ver os seus amigos e eles disseram-lhe que a Bruxa dos Mares estava a planear roubar o Natal.
A Sandra perguntou:
- Vocês não sabem de nenhuma forma de eu vos ajudar?
- Sim. Sabemos de uma feiticeira que te pode transformar numa sereia. – disseram os amigos.
- E onde é que essa feiticeira vive? - perguntou a Sandra.
- Ela vive na Terra da Magia. – responderam os amigos.
- Então eu vou para lá. - disse ela.
- Nós podemos ir contigo? - perguntaram todos em conjunto.
- Só o Peixe-Dourado é que pode vir. - disse a Sandra.
- Porquê? - perguntou o polvo Malaquias.
- Porque foi o único que disse por favor. – disse a Sandra com ar de adulto.
- Tretas. - disse a lula Liliana fingindo ter sido insultada.
- Que disparate! Ele não queria era ser malcriado como vocês foram. -disse a Sandra.
- Está bem, vai lá com o Peixe – Dourado. - disse a lula Liliana virando-lhes as costas.
- Anda Sandra ainda temos muito que nadar e andar. - disse o Peixe – Dourado a rir depois daquela zanga para ver se animava a Sandra.
- Adeus. – disseram a lula Liliana e o polvo Malaquias ainda zangados.
E lá foram os dois muito cuidadosamente à procura da feiticeira.
- Peixinho – Dourado achas mesmo que é por aqui? – perguntou a Sandra.
- É claro que sim. – Respondeu o Peixe –Dourado.
- É já ali.
- Bem, agora eu tenho de avançar sozinha. - disse a Sandra muito confiante.
- Está bem Sandra eu fico aqui a ver se a Bruxa Dos Mares aparece. – disse o Peixe –Dourado muito contente por ela ter confiança em si mesma.
Então a Sandra foi em frente e entrou na casa da feiticeira. Quando entrou viu uma senhora sentada numa cadeira.
- Olá! – disse ela.
- Olá! Senta-te e conta-me a tua história. – disse a feiticeira com ar pálido.
- A minha história é assim:
- Numa tarde de Inverno fui ver os meus amigos e eles disseram-me que a bruxa – dos - mares está a planear roubar o Natal. Eu quero que você me transforme numa sereia para eu poder ajudar todos os habitantes do Mar Das Brincadeiras.
- Está bem, mas eu aviso-te de que ao fim de três dias terás de voltar para casa, se não será tarde de mais e tu ficarás sereia para sempre. – disse a feiticeira sempre com ar pálido.
E depois disse estas palavras:
-Está na hora de transformar
esta menina numa sereia do mar.
No minuto seguinte a menina era uma sereia com a cauda comprida, cor – de – rosa, amarela e azul.
-Olha Peixe –Dourado a minha cauda não é linda? – perguntou Sandra admirada com a beleza da sua cauda.
- Sim! – exclamou o Peixe – Dourado, também admirado com a beleza da cauda da Sandra.
- Agora temos de ir, que já se faz tarde. – disseram os amigos.
- Estamos quase a chegar a casa? – Perguntou Sandra já cansada de nadar.
- Sim, é ali. – respondeu o Peixe –Dourado.
- Então já estava a ver que nunca mais chegavam. – disseram a lula Liliana e o polvo Malaquias em conjunto.
- Acho que agora temos de ir à casa da Bruxa Dos Mares. – disse a Sandra.
- Sim, mas primeiro paramos na minha casa para jantar. – disse o polvo Malaquias.
- Boa jantar! – gritaram os amigos.
- O que é que vamos jantar? – perguntou a lula Liliana.
- Nós vamos jantar bolo de algas e bolachas de flores amarelas .
- Eu não janto. – disse a Sandra quase com dores de barriga.
- Porquê Sandra?– perguntaram os amigos espantados.
- Porque eu não gosto.-respondeu a Sandra muito envergonhada.
- Prova, vais ver que gostas . – disse a lula Liliana.
- Está bem. – disse a Sandra com ar de enjoada.
- Então venham é por aqui. – disse o polvo Malaquias.
- Olhem é a Bruxa dos Mares escondam-se. – disse o Peixe – Dourado.
-Se ela nos vê ficamos em sarilhos. – murmuraram os amigos .
-Ela já se foi embora? – perguntaram o polvo Malaquias e a lula Liliana em conjunto.
-Não. – respondeu o Peixe – Dourado.
- Agora só nos resta esperar. – Disse a Sandra um pouco assustada.
Então eles esperaram alguns minutos até que a bruxa dos mares se fosse embora.
- Já é seguro sair. – disse a lula Liliana.
Quando a bruxa dos mares chegou a casa disse:
- Eles devem pensar que eu não os vi, se eles pensaram assim eu vou – lhes fazer uma pequena surpresa – disse a bruxa dos mares com um riso maléfico.
No outro lado do oceano os nossos amigos estavam prestes a zan
- Acham que ela nos viu? – perguntou o Peixe – Dourado com ar pensativo.
- Claro que não. – disseram o polvo Malaquias, a lula Liliana e a Sandra em conjunto quase a rir.
- Sandra, podes vir aqui? – perguntou o Peixe – Dourado ainda com ar pensativo.
-Sim posso. O que é que queres? – interrogou a Sandra.
Então o Peixe - Dourado disse:
-Achas mesmo que a bruxa – dos - mares não nos viu Sandra? – perguntou o Peixe – Dourado muito preocupado.
- Não sei. Eu só sei é que ela ficou estranha depois da Liliana e do Malaquias perguntarem se ela já se tinha ido embora. – disse a Sandra também com ar pensativo.
Vamo-nos embora eles já estão a desconfiar. – disse o Peixe – Dourado.
Voltando à casa da bruxa – dos – mares…
-Qual será a surpresa que eu vou preparar para apanhar aquele grupinho? – perguntou a bruxa – dos – mares a si mesma.
Passado algum tempo …
- Já sei! Vou fazer uma poção para eles deixarem de acreditar uns nos outros. – disse a bruxa com o seu riso maléfico.
-A pior coisa que pode acontecer a um amigo é deixar de acreditar noutro amigo. – disse também a bruxa, porque ela está sozinha numa caverna localizada na terra das bruxarias.
E a bruxa dos mares tinha razão, a pior coisa que pode acontecer a uma pessoa é deixar de acreditar num amigo muito especial.
Agora vamos ver como é que está a correr a vida aos nossos amigos…
- Do que é que tu e a Sandra estavam a falar? – perguntou o polvo Malaquias com um ar intrigado.
- Nós estava-mos a falar sobre a nossa viagem de amanhã. – respondeu o peixe – dourado muito depressa.
- Ah! A sério? – interrogou o polvo Malaquias com a certeza de que eles estiveram a falar sobre a bruxa dos mares.
- Sim! A sério! – respondeu o Peixe – Dourado, a tentar fingir que não era nada.
E depois daquela conversa foram jantar bolo de algas com bolachas de flores amarelas. Estava tão bom que até a Sandra comeu.
- Que bom! - disse a Sandra. – desculpem eu não sabia que era tão bom, por isso é que fiquei enjoada.
- Não faz mal! Ninguém ficou zangado. Tu também tens direitos. – disse a lula Liliana tentando consolar Sandra que ficou muito triste por pensar ter zangado os amigos.
- Tens razão acho que não zanguei ninguém. Vamos seguir o nosso caminho. Por onde é que vamos Peixe – Dourado? – pergunta Sandra ainda um pouco a chorar, mas já de cabeça erguida.
-Não sei Sandra! Perguntem ao Malaquias. – interrogou o Peixe – Dourado.
No dia seguinte, muito cedo, a Bruxa - dos - mares espalhou a poção, mas como o peixe dourado acorda sempre muito primeiro do que os outros conseguiu escapar e nadou com a sua velocidade máxima ao castalo do Rei do Mares que, mal o peixe dourado explicou todo mandou reunir todas as feiticeiras da zona para o ajudarem:
-Temos que tratar de um caso muito importante. A Bruxa dos mares lançou uma poção aos meus amigos que os impede de acreditarem uns nos outros por isso têm que resolver tudo. Já me esquecia também temos que salvar o Natal.
-Não há problema.
Com unas palavras mágicas tudo se resolveu.
É claro que a Sandra conseguiu chegar a tempo.
E viveram felizes para sempre!!!!!!!!!!